Horiyoshi III: Tatuagem e os Caminhos da Maestria

O texto a seguir é uma transcrição e adaptação do vídeo 和彫師 三代目彫よし – LIFE with SHISEI, da VICE Japan, que documenta o trabalho do tatuador de irezumi (tatuagem tradicional japonesa) Horiyoshi III. Todo o texto é uma transcrição das palavras de Horiyoshi III.
Link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=ZOGWaVCrCsA

Horiyoshi III - Tatuagem Tradicional Japonesa
Horiyoshi III

“Arte, arte, arte. Eu não quero um tipo de tatuagem que só tenha arte.

No começo, né, eu não tinha nenhuma ideia extravagante sobre ser tatuador. Eu apenas gostava de tatuagem e queria viver disso.

Para fazer isso, eu tinha que aprimorar as minhas habilidades, o que significa que eu tive que me esforçar muito.

Ao fazer isso, eu aprendi lições da vida com a tatuagem.

Os fatores-chave para uma tatuagem perfeita são: primeiro, o desenho. Sem um desenho, você não pode ir para o próximo passo que é o contorno.

Sem um contorno preciso, você não pode ir para o próximo passo, que é o sombreamento.

Apenas quando o delineamento e o sombreamento estão completos a cor pode ser aplicada.

Esses são os passos essenciais para uma tatuagem perfeita.

Se compararmos a vida à tatuagem, primeiro você tem o contorno, que é como um plano de vida. Você precisa clarear as suas ideias.

Cada traço da agulha conta, assim como cada dia, cada segundo da sua vida.

Negligenciar por um segundo, ou em um traço da agulha resulta em linhas imperfeitas.

O que nós podemos aprender aqui é que é importante fazer do momento presente o mais precioso momento.

Esses momentos se acumulam em um minuto, uma hora, um dia, e assim por diante.

Valorize cada traço da agulha, e cada segundo da sua vida.

Através disso, do acúmulo disso, você desenvolve naturalmente suas habilidades e adquire mais conhecimento.

Por conhecimento, eu quero dizer que você deve estudar para melhorar seus desenhos. E através desse processo, você adquire conhecimento.

Através do conhecimento, você adquire sabedoria, que ajuda você a melhorar mais ainda.

Esse é o processo natural chamado “shu-ha-ri”.

“Shu-ha-ri” é um dito que diz que estudantes devem confrontar seus mestres e a si mesmos para alcançarem a verdadeira maestria.

“Shu” ou “proteger” significa aprender do seu mestre. Aprender a tradição e preservá-la.

Mas simplesmente preservar não é bom se você quer que uma cultura viva prospere.

A preservação obstrui a evolução.

Para evoluir, você deve se libertar do que você aprendeu. Isso não é traição. Eles dizem: “Transcenda o seu mestre”. Isso é o “ha” ou “quebrar”.

Depois de passar por “shu” e “ha”, o próximo passo é transcender a si mesmo.

Eu ainda não fiz isso: “ri”, ou “transcender”.

Se eu posso alcançar esse nível ou se alguém o alcançou, eu não sei.

Eu acho que ainda estou no meio de me libertar.

Passos improdutivos são importantes em tudo.

Se os artesãos pegam atalhos para aprender, eles acabam aprendendo metade do que eles deveriam ter aprendido.

Não pegar desvios os impede de aprender.

Em vez de uma curva, eles vão direto.

O caminho para se aprender é curto.

No passado, você pegaria um longo desvio e aprenderia um monte de coisas.

Essas coisas eram extremamente importantes.

Se você tiver a habilidade, você pode desenhar um desenho igual. Mas o seu resultado não será igual. Vai faltar a essência. Profissionais conseguem ver a diferença logo.

Eu não consigo explicar direito, mas artesãos sabem só de olhar. Acho que dá para dizer que a essência é o toque único de cada artista. Não tem a ver com ser bom ou ruim.

Às vezes as cópias são tecnicamente melhores do que a tatuagem original. Mas a cópia não tem a essência instilada na versão autêntica. Então não tem a ver com ter ou não técnica, tem a ver com ter ou não aquela essência.

— Seu mestre foi Horiyoshi I?

Sim, quando eu perguntava para a opinião dele, ele respondia “Hmm” e daquele “Hmm” eu tinha que adivinhar o que ele queria dizer. “Hmm?” ou “Hmm?!”. Havia tons diferentes.

Eu praticava nas minhas pernas. E um dia ele finalmente disse “Você tenta”.

O mais interessante são os mitos e as fantasias.

Sun Wo Kung não existe, mas nós o desenhamos como se ele existisse. A mesma coisa com dragões.

Um retrato realístico de uma pessoa real não funciona direito como tatuagem. Eles devem ser retratados como lendas. Faça lendas parecerem reais e pessoas reais parecerem como lendas para uma tatuagem perfeita.

Se me perguntam se um desenho está terminado, eu respondo “Eu não sei”. Nem eu sei como a imagem será posicionada no corpo. Eu não saberei até que você esteja na minha frente.

Cada momento importa. Cada momento é precioso.

Inspiração é tudo.

Se eu desenhar um esboço antes, eu vou perder a mágica do momento. Então, eu não planejo. É por isso que esse trabalho é interessante.

Mas isso também significa que você precisa de conhecimento suficiente para seguir em frente.

Mesmo um idiota pode desenhar se ele persistir. Mas conhecimento só vem de livros. Tem vários livros que contém inverdades. Você tem que ler até saber dizer qual diz a verdade e qual não.

Eu foco na tatuagem em si mais do que no cliente. Eu não me importo com o gosto do cliente ou com a sua personalidade. Uma tatuagem deve permanecer fiel ao seu desenho. Se eu pensar muito no cliente, eu não serei capaz de prosseguir. Mas eu os atendo quanto ao lugar do corpo no qual eles querem a tatuagem. Caso contrário, seria como se eu estivesse ignorando-os por completo. Mas é aí que coloco limite. 

Além disso, eu ignoro o cliente e até mesmo eu mesmo.

Minhas mãos se movem espontaneamente. Digamos que você esteja desenhando ondas. Se você estiver seguindo as linhas de um esboço, você não conseguirá desenhar espontaneamente. Você precisa libertar seu coração e sua mente. 

É por isso que cada momento é precioso.

As pessoas se tatuam por vários motivos, mas o verdadeiro apelo é poder ostentar a sua masculinidade, seu orgulho de ser homem. Ostentar isso. Manter isso. É o que eu acho.

Se você não pode tolerar a dor, você não é homem. Eu não tenho a intenção de excluir as mulheres aqui, mas eu não acredito que as mulheres façam tatuagem para ostentar a sua feminilidade.

As mulheres fazem porque acham bonito ou legal. Eu acho que lhes dá uma imagem de uma mulher fora-da-lei.

Mas no caso dos homens, se você não pode tolerar a dor, você não é homem, não é mesmo? Você não pode desistir no meio. Você tem que superar a dor física com força mental.

É simples assim. Ou você supera, ou não.

O que faz da tatuagem japonesa única é a sua estética e, por ela ser feita para corpos, para deixá-los mais bonitos.

As pessoas que descobriram a beleza formal da tatuagem foram os japoneses e os polinésios. Os polinésios e os micronésios do Pacífico Sul. Eles também criaram tatuagens que perfeitamente adornavam o corpo humano.

Tatuagens tribais hoje se tornaram cópias de cópias. Não têm mais significado.

Originalmente, os desenhos eram símbolos de feitiçaria e eram desenhados para perfeitamente se encaixarem tanto no corpo assim como no rosto e nos braços.

As tatuagens japonesas também são desenhadas para cada parte do corpo. Elas foram desenhadas para perfeitamente se encaixarem nessas partes.

No ocidente elas não tinham isso e é por isso que eles ficaram interessados em beleza formal, especialmente a da tatuagem japonesa.

O professor Osamu Matsuda da Universidade Hosei era um expert em tatuagem japonesa. Ele morreu. O professor amava tatuagem e veio aqui várias vezes.

Ele disse: “Nunca faça da tatuagem japonesa algo comum entre o grande público.” A tatuagem deve ser reservada para apenas alguns especiais com o objetivo de preservar seu valor, que fazer dela algo comum seria um insulto. Isso vai pôr em perigo a apreciação estética da tatuagem japonesa.

Eu concordo.

Nos dias de hoje nós vemos jovens no trem exibindo tatuagens tribais no braço ou na mão ou artistas tatuados na televisão. Com certeza, é desrespeitoso à tatuagem tradicional japonesa, é uma evidência de que o valor estético decaiu.

Como eu disse, um elemento espiritual se foi porque os artesãos pegaram atalhos.

Essa profundidade espiritual é o que faz uma tatuagem brilhar. Mas não é só sobre brilho.

Uma tatuagem não vai brilhar a não ser que tenha um elemento de sombra.

A verdadeira atração da tatuagem não pode vir à tona se estiver exposta à muita luz. Você precisa de um cheiro de underground para verdadeiramente transmitir a beleza e a história que está por detrás delas.

É isso o que eu quero deixar.

Eu não quero que a tatuagem seja só arte, arte, arte.

A verdadeira estética da tatuagem japonesa exige arte e espírito.

Eu não acho que eu possa um dia atingir o meu objetivo.

Eu serei eternamente insatisfeito, mas num bom sentido.

Eu não acho que alguém já tenha morrido contente.

Meu objetivo último é morrer. Morre bem. Por isso eu quero dizer: eu espero que as pessoas vão considerar a minha morte uma grande perda. Em essência, isso é viver efetivamente.”

Horiyoshi III

 

Fontes das imagens:

http://3.bp.blogspot.com/-_Mi6cKKMmiA/UHLHPaIZk0I/AAAAAAAAAsc/vqdoBbZNbHE/s1600/KOT-13.jpg

http://s3-us-west-2.amazonaws.com/hypebeast-wordpress/image/2015/06/legendary-tattoo-artist-horiyoshi-iii-talks-full-body-tattoos-the-importance-of-the-moment-0.jpg

http://orig04.deviantart.net/215c/f/2013/310/0/0/horiyoshi_iii_perform_the_art_of_tebori_by_ivanhooart-d6t86yf.jpg

 

 

 

 

Comments

comments

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*