50 Livros Recomendados pelo Diretor de Animes Hayao Miyazaki

Projeto-Revista-Língua-Cultura-Japonesa-Hayao-Miyazaki-exposição-50-Livros-Recomendados-Anotações.png

Projeto-Revista-Camila-Eleuterio-Kamira-Exposição-Hayao-Miyazaki-50-Livros-Recomendados-Filmes-Influências.jpg

Em 2011, o Kochi Literary Museum, localizado na província de Kôchi, na ilha de Shikoku, Japão, realizou uma exposição dos 50 livros recomendados pelo diretor de animes longa-metragem Hayao Miyazaki, do Studio Ghibli.

A mostra tinha os volumes originais do diretor acompanhados de notas manuscritas.

Uma blogueira japonesa postou fotos do livro com trechos das notas do Miyazaki. Segundo ela, os livros selecionados, além de representarem uma parte das influências Miyazaki, mostram a sua própria pureza e que “ao falar dos livros, ele acabou falando de si mesmo”.

Confira aqui algumas traduções das notas do Miyazaki:

Projeto Revista Língua e Cultura Japonesa O Pequeno Príncipe Hayao Miyazaki

Fonte da imagem

O Pequeno Príncipe

“The Little Prince”, Antoine de Saint-Exupéry  (1943)

“Não consigo me esquecer da primeira vez que li. Percebi que se perde algo com as palavras.”

“The Rose and the Ring”, William Makepeace Thackeray  (1854)

“Quando era criança, consegui muito encorajamento e conforto com esse livro. Era o tipo precioso de livro que eu não podia contar nem para os irmãos nem para os amigos.”

“Toui Mukashi no Fushigina Hanashi-Nihon Reiiki”, Tsutomu Minakami  (1995)

“O livro reúne histórias misteriosas de várias ilhas do Japão. Não é só um monte de crenças velhas e superstições. É algo que fala com o fundo do fundo do meu e do seu coração.”

Ursinho Pooh

“Winnie-the-Pooh”, A. A. Milne  (1926)

“Na época de estudante, um dia li O Ursinho Pooh para minha vizinha, que era minha namoradinha. Ah, a alegria dela! Uma boa história pode fazer as pessoas felizes e dar força a elas. Nessa hora pensei como escrever livros é um trabalho bom.”

When Marnie was There

 

 

“When Marnie Was There”, Joan G Robinson  (1967)

“Quem lê esse livro fica com um cenário no coração. O que fica é a imagem de um lago, e de uma casa ao lado desse lago. Os anos podem passar, você pode se tornar adulto, você pode se esquecer completamente desse livro, mas essa casa fica para sempre no seu coração. Então, um dia você encontra a janela. Você pode estar viajando e vê uma casa pela primeira vez, mas você percebe que parece que já a viu há muito tempo atrás, e te vem um sentimento de saudade e um aperto no peito e de repente você se lembra de Marnie. Esse livro é assim.”

 

Tom's Midnight Garden Philipa Pearce

 

“Tom’s Midnight Garden”, Ann Philippa Pearce  (1958)

“Um dia depois de fazer uma animação e voltar exausto para casa, li esse livro debaixo do futon. Um mundo estava descrito dentro desse pequeno livro. Pensei como a literatura é incrível. Nós ficamos muitos, muitos dias até tarde da noite encurvados sobre nossas mesas, e desenhamos, desenhamos para fazer um filme que não fica perfeito. “O formato maravilhoso desse livro é melhor do que isso”, eu percebi um pouco triste.”

 

 “Chumon no Ooi Ryouriten”, Kenji Miyazawa  (1924)

“Qualquer livro desse autor é um tesouro. Você não pode ler com pressa. Leia devagar várias vezes, leia em voz alta e então as coisas ressoarão no coração, abra os ouvidos para as coisas que estão sendo transmitidas, fantasie com o cenário, mesmo que se passem muitos dias, leia esse livro, mesmo que se passem anos, leia esse livro, mesmo que você chore e não entenda o por quê, você percebe que em certo momento você consegue enxergar de alguma forma, e no outro momento desaparece. Esse livro ensina essas coisas maravilhosas.”

 

Heidi

 

 “Heidi”, Johanna Spyri  (1888)

“Quando éramos jovens, e talvez muito antes de você ter nascido, nós fizemos um anime de 52 episódios baseados nesse livro. Algumas pessoas dizem que é melhor ler o livro original do que ver o anime. Eu sou dessas pessoas. Mas esse caso é diferente. Veja o anime, leia o livro e compare por favor. Até hoje eu penso com orgulho que nós fizemos um bom trabalho com esse anime.”

 

Dr Dolittle

 

 “The Voyages of Doctor Dolittle”, Hugh John Lofting  (1922)

“Quando você estiver de mau humor e irritado, exausto, quando estiver se sentindo terrivelmente mal, leia esse livro e parecerá que você entrou numa nuvem morna e seu corpo e mente ficarão leves. Você perceberá que de alguma forma as coisas vão dar certo.”

A lista de Miyazaki ainda contém outros clássicos como As Aventuras de Tom Sawyer, Alice no País das Maravilhas e 20.000 Léguas Submarinas, além de algumas raridades de escritores russos.

Segue a lista com os 50 livros recomendados pelo Miyazaki:

1. “The Little Prince” Antoine de Saint-Exupéry  (1943)

2. “Il Romanzo di Cipollino” Gianni Rodari  (1956)

3. “The Rose and the Ring” William Makepeace Thackeray  (1854)

4. “The Little Bookroom” Eleanor Farjeon  (1955)

5. “The Three Musketeers” Alexandre Dumas  (1844)

6. “The Secret Garden” Frances Eliza Hodgson Burnett  (1909)

7. “The Treasure of the Nibelungs” G.Schalk  (1953)

8. “Alice’s Adventures in Wonderland” Lewis Carroll  (1865)

9. “The Adventures of Sherlock Holmes” Arthur Ignatius Conan Doyle  (1891)

10. “A Norwegian Farm” Marie Hamsun  (1933)

11. “Konek-Gorbunok” Pyotr Pavlovich Yershov (1834)

12. “Souvenirs entomologiques” Jean-Henri Casimir Fabre  (1879-1907)

13. “Toui Mukashi no Fushigina Hanashi-Nihon Reiiki” Tsutomu Minakami  (1995)

14. “Ivan, the Fool” Leo Tolstoy  (1885)

15. “Eagle of the Ninth” Rosemary Sutcliff  (1954)

16. “Winnie-the-Pooh” A. A. Milne  (1926)

17. “Les Princes du Vent” Michel-Aime Baudouy  (1956)

18. “When Marnie Was There” Joan G Robinson  (1967)

19. “The Long Winter” Laura Ingalls Wilder  (1940)

20. “The Wind in the Willows” Kenneth Grahame  (1908)

21. “The Ship That Flew” Hilda Lewis  (1939)

22. “Flambards” Kathleen Wendy Peyton  (1967)

23. “Tom’s Midnight Garden” Ann Philippa Pearce  (1958)

24. “The Adventures of Tom Sawyer” Mark Twain  (1876)

25. “Chumon no Ooi Ryouriten” Kenji Miyazawa  (1924)

26. “Heidi” Johanna Spyri  (1888)

27. “Twenty Thousand Leagues Under the Sea” Jules Verne  (1870)

28. “The Borrowers” Mary Norton  (1952)

29. “Devatero pohádek” Karel ?apek ?(1931)

30. “Swallows and Amazons” Arthur Ransome  (1930)

31. “The Flying Classroom” Erich Kästner  (1933)

32. “Robinson Crusoe” Daniel Defoe  (1719)

33. “Treasure Island” Robert Louis Stevenson  (1883)

34. “The Twelve Months“ Samuil Marshak  (1943)

35. “Tistou les pouces verts” Maurice Druon  (1957)

36. “The man who planted the welsh onions” Kim Soun  (1953)

37. “Strange Stories from a Chinese Studio” Pu Songling  (1740)

38. “The Voyages of Doctor Dolittle” Hugh John Lofting  (1922)

39. “Journey to the West” Wu Cheng’en  (1500~?)

40. “Little Lord Fauntleroy” Frances Eliza Hodgson Burnett  (1886)

41. “From the Mixed-Up Files of Mrs. Basil E. Frankweiler” Elaine Lobl Konigsburg?(1968)

42. “Alla vi barn i Bullerbyn” Astrid Lindgren  (1947)

43. “The Hobbit, or There and Back Again” J. R. R. Tolkien  (1937)

44. “A Wizard of Earthsea” Ursula K. Le Guin  (1968)

45. “The Little White Horse” Elizabeth Goudge  (1946)

46. “Bylo nas pet” Karel Polacek  (1969)

47. “City Neighbor: The Story of Jane Addams” Clara Ingram Judson  (1951)

48. “The Radium Woman” Eleanor Doorly  (1939)

49. “The Otterbury Incident” Cecil Day-Lewis  (1948)

50. “Hans Brinker or The Silver Skates” Mary Mapes Dodge  (1865)


Clica “gostei” se você gostou. Quando você clica “gostei”, comenta ou compartilha, você está participando. Quando você participa,  você simplesmente patrocina esse blog, você está dizendo para o Google que ele deve expandir de alguma forma essa mensagem para mais pessoas, então ele fica mais propenso a dividir esse tipo de mensagem com mais pessoas e faz com que esse projeto atinja mais pessoas e faz com que eu tenha mais motivação pra escrever esses posts pra você. Te encontro no próximo post! 
kamira

Comments

comments

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*